Os perigosos liberais e a "besta"

Somos um dos Países da OCDE que, em termos per capita e percentagem do PIB, mais gasta com Educação e Saúde. No entanto somos um dos Países da OCDE com piores estatitisticas destes sectores.

Este facto é paradigmático da solução para Portugal: Não é preciso aumentar a despesa pública, é preciso sim geri-la com eficiência.
Gerir recursos sem desperdícios, aplica-los onde são necessários, em suma, racionalizar o Estado, e deitar fora o supérfluo.

Chamem-me um “perigoso liberal” mas acho que temos Estado a mais,e que 50,2 por cento de PIB em despesa pública um absurdo. Vejamos um exemplo prático, a poluição:
É uma externalidade negativa para todos, do qual as empresas não têm noção (ou não querem ter) e que portanto não incorporam nos seus custos.
Solução estatizante: Taxar as empresas (ainda mais um bocadinho…) de modo a que reduzam os seus níveis de poluição para níveis ditos aceitáveis. A este tipo de imposto “corrector” dá-se o nome de Imposto Pigouviano. Até aqui tudo bem, mas agora pensem lá um bocadinho nos custos que se incorre, para reunir informação suficiente de modo a calcular o nível óptimo de todas as empresas, com o objectivo de saber o nível óptimo de imposto. Tal é impraticável e ineficiente.
Solução dos “perigosos liberais”: Dar a uma das partes um direito de propriedade (por exemplo o direito das populações a não terem poluição) e criar um mercado onde as empresas possam adquirir, mediante um preço, o direito a poluir. O mercado iria funcionar, atingindo de forma descentralizada, um equilíbrio eficiente ao nível do valor de poluição efectivamente criado e introduziria na estrutura de custos das empresas essa externalidade.

Mas espera lá, a solução de mercado obtém os mesmos (senão melhores) resultados que a solução estatizante com menores custos para o Estado.
Isso quer dizer que o Estado se podia concentrar na simples regulação de mercados para assegurar que as falhas de mercado, riscos morais e selecções adversas não ocorressem, deixando o resto da intervenção ao cuidado dos intervenientes.
Então para que é que continuamos com estas manias de criar “bestas” que consomem metade do que produzimos para obter resultados medíocres?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s